Madrid #4 – A cidade dia 4 e 5

O 4º dia em Madrid começou com a visita ao Palácio Real, a residência oficial da família real espanhola, embora hoje em dia seja só utilizado pelos monarcas para actos do estado.
É o maior Palácio Real da Europa e o seu interior destaca-se pela riqueza, no uso de materiais nobres e na decoração por artistas como Goya, Velázquez e Caravaggio.
Existem no Palácio várias colecções de grande importância histórica, como a Armaria Real com armas e armaduras que datam do século XIII em diante, a Real Farmácia e a maior colecção mundial de Stradivarius.
No exterior do palácio podemos passear pelos jardins do Campo do Mouro e pelos Jardins de Sabatini.
O Palácio está aberto no inverno de 2ª feira a sábado das 9h30 às 17h e domingos e feriados das 9h às 14h. No verão de 2ª feira a sábado das 9h às 18h e domingos e feriados das 9h às 15h.
O preço normal do bilhete é 10€ e reduzido 5€.
Palácio Real
Interior do Palácio Real
Armaria Real
Jardins
Seguimos depois para a Catedral de La Almudena, que se situa mesmo em frente ao Palácio Real.
A Catedral de Almudena é a sede episcopal da diocese de Madrid. Foi consagrada pelo papa João Paulo II na sua quarta visita a Espanha, sendo por isso a primeira catedral espanhola consagrada por um Papa e também a primeira consagrada por João Paulo II fora de Roma.
Como resultado do longo processo de construção, a catedral apresenta dois estilos arquitectónicos diferentes: neoclássico no seu exterior e neogótico no seu interior.
Os elementos de maior destaque são as grandes portas de bronze no seu exterior, os vitrais coloridos, a cripta neo-românica e um museu que exibe objectos litúrgicos.
Um facto engraçado sobre esta catedral foi ter sido escolhida para cenário do casamento do Príncipe Felipe das Astúrias com Leticia Ortiz.
Saímos da catedral e fomos directos para o Mercado de San Miguel, experimentar as famosas tapas e petiscos do mercado.
Depois de almoço tivemos algumas horas reservadas para compras de souveniers, incluindo uma visita ao Hardrock Café.
Catedral de la Almudena (parte da frente)
Catedral de la Almudena (parte de trás)
Interior da Catedral de la Almudena
No final da tarde passeámos até à Praça de Espanha, que tem um parque muito giro e fomos depois ver o pôr do sol ao Templo de Debod, um monumento egípcio construído no séc. II a.C. no Vale de Núbia, próximo ao rio Nilo.
O templo foi um presente dado ao governo espanhol pela sua ajuda no projecto de deslocação dos Templos de Abu Simbel, no Egipto. Foi desmontado e transportado para Espanha em blocos de pedra para depois ser novamente reconstruido no centro de Madrid.
É um dos poucos testemunhos da arquitectura egípcia que podem ser contemplados fora do Egipto e no interior é possível conhecer a sua origem e história.
O pôr do sol aqui é efectivamente muito bonito, acompanhado de uma vista deslumbrante sobre a cidade.
Praça de Espanha
Templo de Debod

Seguimos depois para o hostel e decidimos ir jantar ao bairro la Latina. O restaurante escolhido foi o La Musa Latina, quem tem um ambiente descontraído e boa comida (o prato mais conhecido é a La bomba). Para finalizar a noite apanhámos o metro e fomos comer a sobremesa à Sorveteria Giangrossi, conhecida por ter os melhores gelados da cidade.

No último dia em Madrid, como era Domingo, decidimos ir ao Mercado El Rastro. Um mercado que acontece todos os domingos e feriados no bairro La Latina, perto do centro histórico da cidade. É um dos maiores e mais antigos mercados ao ar livre da Europa, onde as peças antigas ou em segunda mão são as mais procuradas.
O mercado vende de tudo um pouco e estende-se por várias ruas de Madird que ficam fechadas para o transito durante o seu funcionamento, das 9h às 15h.
Está dividido em várias zonas e cada uma vende produtos diferentes. Na Calle Ribera de Curtidores vende-se artesanato, roupas novas e antiguidades. Na Calle San Cayetano, conhecida por ser a zona dos artistas e pintores, vende-se quadros ou reproduções de obras de arte. Na Plaza del General Vara del Rey, encontram-se roupas em segunda mão ou móveis usados. A Rua Mira el Sol é indicada para amantes do cinema, enquanto que a Ronda de Toledo para amantes da música.
Ao longo do mercado também se pode encontrar ferramentas domésticas, tecidos, peles, discos de vinil e revistas antigas.
Para os turistas é um bom sitio para comprar souveniers e prendas a bom preço, no entanto, embora seja um lugar seguro, é necessário ter algum cuidado com os carteiristas que se aproveitam da confusão do mercado para roubar.
Depois de descer e subir as ruas do mercado, estávamos cansados e cheios de fome, por isso seguimos os madrilenos e procurámos um dos muitos bares de tapas que se encontram no bairro La Latina.
Recomendo o bar El Capricho Extremeño, que foi onde almoçámos quando saímos  do mercado.
El Rastro

Depois de visitarmos o Mercado El Rastro, aproveitámos as últimas horas em Madrid para passear pela parte histórica da cidade.

Fomos até à Praça de Cibeles, a praça mais emblemática da cidade e que divide os limites dos bairros Centro, Retiro e Salamanca.
No centro desta praça está situada a Fonte de Cibeles, rodeada por edifícios emblemáticos, como o Palácio das Comunicações e o Banco de Espanha.
A Fonte de Cibeles tornou-se também conhecida por ser o ponto de encontro dos festejos da equipa e adeptos do Real Madrid.
Um pouco mais à frente, seguindo a Calle de Alcalá encontramos a Porta de Alcalá, que está situada no centro da Praça da Independência.
Foi construída em 1778 pelo rei Carlos III para servir como porta de entrada da cidade.
Está dividida em cinco arcos, os maiores estavam destinados às carruagens, enquanto que os menores destinavam-se aos pedestres.
Actualmente é considerada um símbolo de Madrid.Terminámos o dia a passear pelo Parque do Retiro, que como era Domingo, estava cheio de gente e muito animado.
Foram cinco dias (um pouco cansativos) mas muito bem passados!

Fonte de Cibeles
Palácio das Comunicações
Porta de Alcalá

1 Comment

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *